Asana é diversão?

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Pin It Share 0 LinkedIn 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

Um palhaço imitando uma postura (asana) de Yoga

Um palhaço imitando uma postura (asana) de Yoga

» por Pedro Kupfer, do yoga.pro.br

Estava ontem lendo um livro de Yoga escrito por um dos mais famosos yogis estadunidenses, que ensina um método criado por ele próprio aqui no Ocidente. Embora tente me manter aberto, tendo a desconfiar das formas de Yoga nascidas fora do berço, porque a possibilidade de viralatizar a prática aumenta muito. No final do capítulo sobre asana (a prática física do Yoga), uma frase chamou minha atenção: put on some inspiring music, and have fun!, que significa: ponha uma música inspiradora [para tocar durante a prática], e divirta-se! (To have fun traduz-se como “divertir-se”).

Fechei o livro e disse para minha esposa: “eu nunca me diverti praticando asana! Será que estou fazendo alguma coisa errada?”. Fiquei com a pulga atrás da orelha e acabei indo para meu conselheiro de português, o Dicionário Houaiss, para tentar entender melhor o que é diversão. Veja o que achei:

Divertir.
1.
Desviar, distrair a atenção (de alguém ou a própria) de (algo) <a passagem do bloco carnavalesco divertiu os operários do trabalho> <ele foi ao cinema para divertir-se das coisas ruins>.
2. Fazer esquecer. Fazer perder o hábito <as longas férias divertiram-no dos estudos>.
3. Entreter(-se) com brincadeiras; distrair-se <a babá diverte a criança para ela não chorar>.
4. Rir ou fazer rir; alegrar(-se) <o palhaço diverte as crianças>.

Nunca, em nenhuma prática de asana, apareceu um bloco carnavalesco para eu sambar, nem um palhaço para me fazer rir, e muito menos uma babá tentou evitar que eu chorasse. Será que é porque tampouco coloco música para tocar quando pratico?

Pratico asanas porque gosto, porque percebo que faz bem para meu corpo, porque me prepara para a meditação, porque sinto que beneficia o corpo sutil e a mente. Mas nunca pratiquei para divertir-me.

Aliás, nunca achei o Yoga divertido. Podemos dizer muitas coisas sobre essa filosofia prática. Ela é profunda, é transformadora, é poderosa, é complexa, é sutil, é forte. Porém, acho que dizer que o Yoga é divertido é forçar as coisas. É tentar nos passar gato por lebre.

Enfim, isso não soa nada “divertido”, não é mesmo? Pelo menos não soa nada animador para quem pretende transcender as dimensões física, energética, psíquica e mental para ter a experiência transformadora da união com a essência íntima do ser (Atma).

A Katha Upanishad, uma das mais antigas obras sobre Yoga, ensina-nos que, para conquistar esse estado de união, devemos transitar um caminho estreito como o fio de uma navalha. Isso sente-se na própria carne, de forma muito concreta, ao longo das práticas. É esse o motivo pelo qual são muito poucos os que querem ir além do ponto em que o Yoga dá saúde, acaba com males como a ejaculação precoce e a insônia. Porque, após esse ponto, começam as perguntas que, se forem corretamente respondidas, nos darão a experiência transcendental do Yoga.

Portanto, dizer que os asanas (ou qualquer outra prática de Yoga) servem para nos divertir é errar rotundamente o alvo do Yoga. É esquecer o porquê do sadhana. Aliás, equivaleria a usar as práticas para fugir de si mesmo, ou esconder-se dos próprios problemas. Equivaleria, como diz o dicionário, a ir ao cinema para divertir-se das coisas ruins.

De fato, podemos encarar o Yoga como um refúgio, um guarda-chuva contra nossos problemas, uma forma de preencher nossas fantasias ou de evadir-nos da nossa realidade. Mas essa atitude estará nos colocando fora do objetivo maior, aquilo que os mestres de Yoga chamam nihshreyase, o bem supremo, que é a união com Brahman, o Ser infinito.

A mesma Katha Upanishad (VI) define muito bem esse estado unificado de consciência através do qual consegue-se esse bem supremo, bem como a dificuldade em mantê-lo:

Quando os cinco sentidos e a mente estão parados,
e a própria razão descansa em silêncio,
então começa o caminho supremo.
Esta firmeza calma dos sentidos chama-se Yoga.
Mas deve-se estar atento, pois o Yoga vem e vai.

Então, considerando a profunda mensagem dessa Upanishad, resta a seguinte sugestão: na próxima vez que for praticar asanas, ao invés de ligar o som e di-vertir-se (ou di-vidir-se), sugiro que você desligue o som e uni-virta-se (para poder uni-ficar-se)!


Artigo originalmente publicado em 11 de dezembro de 2003 em www.yoga.pro.br

Pedro Kupfer

Pedro Kupfer

Pedro Kupfer nasceu em Montevidéu, Uruguai, em 1966. Descobriu o Yoga aos 16 anos de idade, e pratica, aprende, estuda e ensina desde então. Estabeleceu o primeiro contato com essa cultura através de um workshop intensivo em 1983 com a professora indiana Svami Yogashakti, discí­pula de Svami Satyananda. Continuou praticando com os professores do Satyananda Niketan, em Montevidéu, até se mudar para o Brasil em 1986. Considera o Yoga mais como uma forma de vida do que uma atividade que simplesmente se faz dentro de uma sala. Pedro escreveu e traduziu vários livros sobre Yoga, além de integrar o Conselho Editorial das revistas Cadernos de Yoga e Yoga Journal e editar o website yoga.pro.br, veículos especializados nessa cultura. Fez várias viagens de estudos à Índia e a outros países do Oriente e, atualmente, mora na praia de Mariscal, em Santa Catarina, onde ministra Cursos de Formação em Yoga no Espaço Yogabindu, e é também Presidente do Conselho Técnico da Aliança do Yoga. Quando não está viajando, ensinando ou praticando, gosta de cantar, surfar e cozinhar. Conheça mais o trabalho do Pedro em seu website, www.yoga.pro.br

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Comentários

Asana é diversão? — 2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *