O controle das palavras

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Mira Alfassa (1878 - 1973), A Mãe

Mira Alfassa (1878 – 1973), A Mãe

» por Mira Alfassa, A Mãe (1878 – 1973)

Na Terra, o homem é o primeiro animal capaz de servir-se de sons articulados. Ele é muito orgulhoso disso. Aliás, se utiliza dessa capacidade sem medida nem discernimento. O mundo está ensurdecido pelo ruído de suas palavras, mas às vezes se é tentado a lastimar o silêncio harmonioso do reino vegetal.

O constante zumbido das palavras parece o acompanhamento indispensável das tarefas cotidianas. No entanto, logo que se procura reduzir o ruído ao mínimo, percebe-se que muitas coisas são feitas melhor e mais rápido no silêncio, e que isso ajuda a manter a paz interior e a concentração.

Se você não é sozinho e vive com outros, adquira o hábito de não se exteriorizar constantemente em palavras pronunciadas em voz alta, e você perceberá que, pouco a pouco, uma compreensão interior se estabelece entre você e os outros; poderá então intercomunicar-se reduzindo as palavras ao mínimo, ou mesmo em palavra alguma.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Yoga não é só técnica: Yoga é cultura

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Valmiki, autor do Ramayana, o mais antigo épico indiano

Valmiki, autor do Ramayana, o mais antigo épico indiano

» por Pedro Kupfer, do yoga.pro.br

Muitos autores afirmam que o Yoga é um conjunto de técnicas práticas. No entanto, a definição do Yoga como pura e simples prática é incompleta, pelo fato de que ele vai muito além de seus aspectos técnicos.

Vejamos a definição de prática segundo o Dicionário Houaiss: prática é o “ato ou efeito de fazer algo, ação, execução, realização. Execução de alguma coisa que se planejou. Execução rotineira de alguma atividade. Maneira usual de fazer ou agir”. Nós sabemos que o Yoga é muito mais que isso.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Introdução do livro Mergulho na Paz

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Capa do livro Mergulho na Paz» por José Hermógenes (1921-)

Sei muito bem do drama dos pássaros,
a disputar audiência
com os grandes ruí­dos do tráfego.

Agradecimento

As primeiras edições foram êxito de livraria. Foram consumidas. A sociedade de consumo aprovou-as! Como pode ter acontecido, se não fiz concessões, não adocei a pí­lula e fiz frontal e claramente as contestações que supus necessárias?!

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...