Benefícios de kurmasana, a postura da tartaruga, segundo Lino Miele

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Kurmasana e supta kurmasana, a postura da tartaruga, em desenho por John Scott

Kurmasana e supta kurmasana, a postura da tartaruga, em desenho por John Scott

» por Lino Miele

Esses asanas, kurmasasana, a postura da tartaruga, e supta kurmasana, a postura da tartaruga adormecida, têm efeito estimulante sobre o kanda. O kanda não é um elemento físico. Ele encontra-se no corpo sutil, e é a raiz, a fonte de onde se originam todos os nadis. Está localizado a 4 polegadas abaixo do umbigo, acima do assoalho pélvico. Tem a forma de um ovo e provê suporte a 72.000 nadis (canais de energia vital).


Kurmasana expande o peito, aumentando a capacidade dos pulmões e brônquios, bem como a quantidade de sangue oxigenado enviado para o coração.

Esse asana é benéfico para qualquer pessoa que sofra de alguma enfermidade do coração, de angina pectoris, de asma e de bronquite. Esses últimos devem-se a um desequilíbrio entre apana vayu e prana vayu, quando predomina o prana vayu.

As dificuldades de respiração podem ser corrigidas mediante a prática desse asana e a restauração do equilíbrio entre apana vayu e prana vayu.

Quando a inspiração é equivalente em força e duração à expiração, reina a saúde no sistema respiratório.

A medula espinhal (virna-danda) é fortalecida juntamente com a ossatura da coluna.

Essa postura também fortalece os rins e alivia eventuais dores nesses órgãos.

Reduz gordura excessiva e faz você obter controle sobre o seu corpo inteiro de maneira sistemática.


Texto digitado por Cristiano Bezerra em 18 de dezembro de 2018 e extraído da página 58 do livro Astanga Yoga (1996, 2009), de Lino Miele, com tradução de Regina Ehlers, Editora Jaboticaba, São Paulo.


Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.