Jñana Yoga, a sabedoria que liberta

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

» por José Hermógenes (1921-)

Sri Shankara (788-820 d.C.) e discípulosE conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará.
João, 8:32


A alienante ignorância diz: “Deus é Divino, e eu, humano; Deus é Perfeição, e eu, pecado; Deus é Luz, e eu, sombra; Deus é Liberdade, e eu, servidão; Deus é Paz, e eu, conflito; Deus é Unidade, e eu, pedacinhos desarmônicos; Deus é Bem-Aventurança, e eu, sofrimento; Deus é Opulência, e eu, pobreza; Deus é Plenitude, e eu, vazio… Deus é grande demais. Deus está infinitamente fora de meu alcance…”

Os que assim pensam, concluem: “Continuarei humano, pecador, sem luz, sem liberdade, sem paz, desintegrado, sofredor, vazio, entediado e frágil.”

É assim que a ignorância torna maior o padecimento e a ruí­na.

O ignorante desastrosamente admite a impossibilidade. Ele não teve “ouvidos de ouvir” quando o Mestre nos estimulou dizendo: “Sede perfeitos como o Pai que está nos céus é Perfeito”.

O Yoga que combate a ignorância – o Jñana Yoga – é a caminhada no saber, na elucidação progressiva, afastando os mil disfarces que escondem o Real, o Uno, o Absoluto. O jñanin, no seu caminho, conquista Paz, Felicidade, Amor… mediante as vitórias que impõe às trevas, aos enganos…

Para o jñanin é a ilusão (avidya) que, fazendo de Deus algo separado, faz-nos sofrer e faz-nos fazer sofrer. É avidya que separa os homens e nutre os egos conflitantes.

Jñana Yoga é deslumbramento enquanto dissolve as trevas. É desengano, enquanto afasta as aparências enganosas. É desilusão, enquanto nos livra de todas as ilusões – agradáveis e desagradáveis. É desencanto, enquanto nos salva de frustradores encantamentos.

O jñanin vê-se a si mesmo; vê tudo, todos e o Todo numa Unidade, que não tem segundos. Nada existe fora de Deus, o Uno. Há muitas existências, mas a Essência é Uma. Existências são aparências; e a Essência Una, o Real. Nada existe fora ou diferente do Uno. Nós, embora pareçamos í­nfimos, somos o Infinito.

Conseguida a desilusão total, o que resta é a imperecí­vel liberdade, a felicidade absoluta.

Sat-Chit-Ananda é um dos nomes do Inominável de mil nomes.

Sat é Deus como Ser e Verdade.

Chit é Deus como Consciência Suprema.

Ananda é Deus como Felicidade Absoluta.

E nós somos Isto – É a mensagem advaita (moní­stica) de Shankara, o vedantino.

Só a ignorância nos impede de ver que O somos.

Yoga: caminho para Deus


Texto extraí­do das páginas 139 a 142 da 12a edição, de 1996, do livro Yoga: caminho para Deus (1984), de José Hermógenes (Editora Nova Era, Rio de Janeiro), e digitado por Cristiano Bezerra em 14 de junho de 2001.

Visite o site do Professor Hermógenes em www.profhermogenes.com.br

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Comentários

Jñana Yoga, a sabedoria que liberta — 1 comentário

  1. Professor Hermógenes é um bálsamo de sabedoria em nossas vidas. Grata por essa maravilhosa oração, que já guardei, junto com essa página, entre os meus favoritos. Namaste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.