Krishna Das sonha música e liberdade…

Compartilhe esse conteúdo com alguém...
0 Flares 0 Flares ×

… e faz canções que lhe trazem esse sabor, com simplicidade, fugindo do rótulo de pop-star.

Krishna Das» por Fernanda Sciacio

Ram Sri, Ram de Jaya, Ram de Jaya Jaya – Krishna Das canta “a Ram Sri, a Ram de Jaya, a Ram de Jaya Jaya” – os participantes repetem, ecoando. No estúdio de Yoga de Piedmont (EUA), Krishna Das – cujo nome foi dado por Maharaj-ji e significa “o empregado de Deus” – fecha os olhos e concentra-se por um momento. É o ritual que precede shows ou workshops por ele “ministrados”. Depois disso, dirige-se ao espaço destinado ao kirtan (ou canto) e posiciona-se com os percussionistas.

O formato de seu kirtan é de “chamada e resposta”, explica Krishna Das, sendo que ele canta uma linha do mantra e o grupo ecoa-a. A finalidade de repetir as palavras em sânscrito? Simples: a fusão com o divino.

A mulher que se senta ao lado de Krishna Das canta as respostas em seu microfone, ajudando o grupo longitudinalmente. Após uma sequência de repetições, um percussionista completa o quadro, adicionando alguma propulsão ao esforço, e o kirtan começa intensamente. A batida pode ser sentida através do assoalho, e o ritmo convida à posição de ajustar rapidamente joelhos e pés uniformemente, para aqueles que se sentam na posição de lótus. Respirações profundas e exalação do som. Inspiração visceral e cósmica, e, então, conclusão. Silêncio outra vez, mas carrega-se neste instante a sublimidade, a vigilância e a ânsia por mais e mais. A ginástica consiste em um começo fácil e quieto, com a construção de um mantra gradual – em ritmo e intensidade – e, depois (ou durante), clí­max, exultação, inspiração, dança e a sensação de seu lugar naquele espaço e no mundo.

Krishna Das na Montanha Encantada em agosto de 2005Para Krishna Das, cantar é também meditar, e está incluso no “pacote” ensino e discussões espirituais, mas apenas como observação e auto-instrução, garante Rogélia Alba, professora de Yoga no Instituto Yoga Art, cantora de mantras, amiga pessoal de Krishna Das e organizadora da turnê brasileira do cantor em 2005. “Ele é muito coração e, justamente por isso, coloca o que sabe de maneira simples. Acredita que não tem o que ensinar às pessoas, e sim que sua missão é entoar os mantras, o que faz há 30 anos”, revela Rogélia. O estilo, conhecido como kirtans, é uma maneira musical de vocalizar os mantras (dos diferentes nomes sagrados de Deus), e, assim, segundo os adeptos, elevar a consciência a um estado de meditação ou êxtase.

Esse é um dos passos rumo à inusitada viagem ao interior, e não é necessário saber cantar ou ter qualquer conhecimento ou prática relacionados à vocalização.

Krishna Das na Montanha Encantada em agosto de 2005A música de Krishna Das reflete um processo de um longo tempo em vivências no universo Bhakti (ou devocional), e suas canções têm inspirado muitos yogis. E esse é só um fragmento da complexa figura do cantor que, na busca de expansão, esteve diversas vezes na Índia, encontrou vários mestres e santos de diferentes tradições espirituais e morou em florestas, ashrams e locais sagrados. O seu interesse estendeu-se também às práticas de meditações buddhistas, e ele obteve iniciações no Buddhismo Tibetano, por lamas de várias linhagens. “Eu já vi Krishna Das fazer 800 pessoas chorarem de emoção e nem ele mesmo sabe como. O que se sente é que ele propicia uma abertura (espiritual) impressionante e contagiante”, descreve Rogélia.

E a história é rica em detalhes

Krishna Das
O famoso cantor nasceu nos Estados Unidos como Jeff Kagel, e realmente mudou sua vida (ele era viciado em ácidos e tinha fortes crises de depressão) em 1968, aos 23 anos, quando conheceu Richard Alpert (Ram Dass), que tinha acabado de retornar da Índia. Em princí­pio, ele não se interessou, pois “não queria conhecer nenhum yogi norte-americano”, mas, ao ver os amigos que encontraram o yogi e retornaram “iluminados como lâmpadas e com sorrisos totalmente loucos nos rostos”, ele mudou de ideia. Na mesma noite ele foi ao encontro de Ram Dass e nunca mais foi o mesmo.

Ele conta que, imediatamente, toda a sua vida ruiu. “Mas a desintegração levou a uma reintegração de uma forma diferente”, conta Krishna Das. Com isso, tornou-se discípulo de Ram Dass, e foi especialmente atraí­do para as práticas de Bhakti Yoga – o caminho do amor. O yogi norte-americano também o levou para a Índia em 1969, para que conhecesse o guru Neem Karoli Baba (ou Mararaj-ji), e com ele Krishna Das esteve por três anos. Aos poucos, iniciou a jornada que o levou cada vez mais fundo à prática de kirtans, e, no iní­cio de 1973, após um difí­cil processo, decidiu cantar na América do Norte.


Artigo de Fernanda Sciascio publicado originalmente na revista Vida & Yoga edição nº 6, ano 2, de agosto de 2005, da On Line Editora.

Reconhecido mundialmente, não só nos meios alternativos mas também no vasto universo da chamada World Music, Krishna Das é uma grande referência no canto de músicas da tradição indiana, inspirando milhares de pessoas em seus Concertos e Satsangs. Visite seu website, seu Canal no YouTube e suas páginas no Facebook, no Twitter e no MySpace.





Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *