Kumbhaka bandha pranayama

Compartilhe esse conteúdo com alguém...
0 Flares 0 Flares ×

» por Pedro Kupfer

Adrian Vilas Bôas praticando pranayamaA palavra kumbha ou kumbhaka significa cântaro. Kumbhaka bandha é a respiração completa, com ritmo e contrações. É um dos exercí­cios mais importantes do Yoga, tendo uma forte atuação nos órgãos internos, glândulas endócrinas e plexos nervosos. O mais importante desta técnica, porém, não está em seu efeito fisiológico, senão no plano sutil, no estímulo produzido no corpo energético. Proporciona o bhuta shuddhi, a purificação dos elementos corporais, considerada condição sine qua non para o despertar da kundalini.

Sentado em atitude receptiva, mantenha a coluna vertebral ereta, visualizando-a como se fosse uma quantidade de moedas empilhadas cuidadosamente umas sobre as outras. Deixe as mãos em jñana mudra, unindo os polegares e indicadores.

Elimine o ar e inspire de forma profunda e completa. Ao concluir essa inalação feche a glote e incline a cabeça para trás. Retenha o ar nos pulmões e faça jiva bandha, pressionando a ponta da lí­ngua contra o céu da boca, no palato mole. Neste ponto, também poderá fazer mula bandha ou ashvini mudra, contrações dos esfí­ncteres, ritmadas ou não. O tempo de retenção deverá ser o dobro ou o quádruplo do da inspiração, conforme o ritmo que você tiver escolhido.

Ao exalar coloque lentamente a cabeça na sua posição natural. O rechaka é feito no dobro do tempo do puraka. Completando a expiração, faça o bandha traya, a contração trí­plice. Comprima o queixo na depressão jugular e pressione firmemente a glote em jalandhara bandha. Juntamente faça uddiyana bandha, a contração dos músculos e plexos abdominais. A seguir, mula bandha, contraindo fortemente os esfí­ncteres do ânus e da uretra. A duração do shunyaka associada a esses bandhas é livre. O ritmo do exercí­cio é 1:2:1:0 ou 1:2:2:0 para os iniciantes e 1:4:2:* ou 1:4:2:0 para praticantes experientes. Se quiser, poderá concentrar-se na repetição mental do bija mantra Om.

Efeitos: Exercita todos os músculos e articulações do aparelho respiratório, aumentando a elasticidade da caixa toráxica, eliminando tensões musculares e aumentando a capacidade vital do praticante. Estimula o funcionamento do sistema endócrino e do sistema nervoso, melhora a digestão e a excreção e otimiza a oxigenação do sangue. Há ainda o estímulo produzido pela contração trí­plice, bandha traya, que é fortí­ssimo, tanto fisiológica quanto energeticamente. Dentre os efeitos sutis destacamos a estabilização dos pensamentos, a eliminação das instabilidade da consciência (chittavrtti), a sensação de receptividade, alegria e expansão da própria consciência.

Guia de Meditação


O texto acima pode usar-se como modelo de elocução. Você estuda a técnica e grava a sua própria voz, lendo pausadamente. Outra opção é fazer pequenos grupos de meditação com seus amigos, onde cada um pode usar os textos como orientação para conduzir a prática para os outros. Se você for Instrutor de Yoga, poderá igualmente usar essa prática nas suas aulas, tomando o cuidado de escolher a técnica mais adequada para cada pessoa ou grupo.

Pedro Kupfer
Texto extraí­do das páginas 61 a 63 da edição, de maio de 2000, do livro Guia de Meditação (1997), de Pedro Kupfer (Fundação Dharma, Florianópolis).

Visite o site do Pedro em www.yoga.pro.br

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Comentários

Kumbhaka bandha pranayama — 1 comentário

  1. Agradeço a Deus por este momento. Ainda preciso de mais tempo para me instruir mais e poder emitir qualquer comentário. Que Deus abençoe a todos. Namaste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *