A prática de asanas

Compartilhe esse conteúdo com alguém...
0 Flares 0 Flares ×

Lara Zinn-Burmistrak em bakasanapor Marcos Taccolini

Atuação da prática

Você já deve ter verificado que suas emoções, esforço mental, estresse e tudo o que vivencia a cada dia é somatizado no corpo e na musculatura, eventualmente gerando contrações ou até mesmo dores localizadas. Se o que ocorreu foi um estresse no trabalho, você pode ter ficado, por exemplo, com o pescoço contraí­do; se foi um problema emocional, poderá observar que a respiração foi afetada; se exagerou na prática de esportes, seus músculos poderão ficar doloridos. É como se fôssemos mapeados: qualquer coisa que acontece conosco, quer seja na esfera fí­sica, emocional, mental, ou ainda mais sutil, tem um impacto direto sobre nosso veí­culo mais denso, que é o corpo fí­sico.

O contrário também ocorre: quando você coloca o corpo numa certa posição, exigindo mais de um músculo, alterando a circulação do sangue e de prana pelas nadis, você está atuando em todo o organismo. Ao colocar o corpo numa posição e lá permanecer, está sendo gerado um efeito reflexo com impacto fisiológico, emocional e mental.

Cada asana das 108 famí­lias, incluindo suas milhares de variações, é absolutamente único nesses efeitos. Quando o praticante propõe-se a dominar a execução dos asanas, em todas as variações, ele estimula o corpo de formas distintas, chegando muito mais rapidamente a uma transformação evolutiva. O treinamento com o objetivo de conquistar as diversas posições, ainda que em alguns casos só se alcance a variação mais simples, somado í  própria determinação envolvida no processo, coloca em marcha uma evolução ampla, não apenas no anga asana, mas também nas outras técnicas do Yoga.

O Yoga é prático e experimental. Ensina como reproduzir os efeitos, mas não procura explicar o porquê dos efeitos. Ainda assim, para o praticante, e muito mais para o Instrutor de Yoga, a compreensão dos seus mecanismos de atuação é de grande auxí­lio para elaborar a já mencionada estratégia de longo prazo visando a evolução de seus alunos. Assim, os conceitos comentados a seguir têm o propósito de fornecer elementos para compor um modelo que auxilie a compreender melhor esse processo prático do Yoga e, consequentemente, planejar de forma mais eficiente sua evolução.

Efeito sinergia

Essa diversidade de técnicas e estí­mulos, desde corretamente combinados, é muito importante. Ao treinar essas variações, em várias frentes de atuação, ocorre um efeito de sinergia.

Sinergia é um fenômeno que ocorre quando a atuação conjunta de vários agentes produz um resultado distinto e mais expressivo que sua ação isolada. Na prática, significa que técnicas, esforços e ações serão unidos e alcançar-se-á um resultado final ainda maior que a soma independente dos efeitos das partes isoladas.

As técnicas utilizadas pelo Yoga foram desenvolvidas ao longo de mais de cinco mil anos de experimentação prática: as combinações de técnicas que produziam o efeito desejado eram mantidas; as combinações de técnicas que não produziam efeitos ou geravam efeitos indesejáveis eram eliminadas. Assim, atualmente o praticante tem a seu dispor um conhecimento muito maior que do que nos primórdios do Yoga, cinco mil anos atrás.

Assim, ao aplicarmos vários conjuntos de técnicas totalmente distintas, mas consistente com uma estratégia definida, não ocorre uma dispersão de energia; ao contrário, ocorre uma dinamização e uma sinergia entre as técnicas. Ao se praticar posições de efeitos mais localizados (como abertura pélvica e lateroflexão), o resultado final, a transformação biológica, não pode ser explicado apenas pela soma direta das técnicas praticadas. Novas posições, que não foram treinadas, nem mesmo indiretamente na série, são conquistadas.

É como se você estivesse fornecendo tantos estí­mulos para o seu corpo, que embutem em reforço mútuo, que ele deixasse de interpretar como estí­mulos localizados sobre um músculo ou órgão, e sim como uma informação sobre a necessidade do indiví­duo de atingir um estado de transformação evolutiva completa, de efetiva paranormalidade. No próximo item, vamos falar sobre como se processam esses estí­mulos para o organismo.

Mensagem biológica

Nosso corpo funciona como um autômato: indicamos o que desejamos fazer e ele executa sua programação ou cria uma programação para alcançar o resultado solicitado. (Aliás, não apenas nosso corpo fí­sico funciona assim, mas isso é outro tema). Para conquistar uma determinada posição, ou transformar o seu corpo, tudo que é realmente necessário é fornecer essa mensagem de forma clara para o organismo, e ele providencia as modificações na sua própria constituição para, ao longo do tempo, capacitar-se a executar o que lhe foi solicitado.

Por exemplo, ao permanecer por dois minutos numa posição que demande um maior alongamento de determinado músculo, não será neste pequeno perí­odo de tempo que seu corpo modificar-se-á. Nesses dois minutos, não seria fisicamente possí­vel promover uma alteração permanente de sua estrutura biológica, criando novas células e tecidos com maior capacidade de alongamento, modificando a estrutura interna de músculos e articulações. A execução diária da técnica, com a solicitação criada durante a permanência, desencadeia a emissão de uma mensagem biológica para o organismo indicando que esse espécime tem essa necessidade vital, que precisa disso em suas atividades regulares. Pela capacidade inata dos seres vivos de adaptação e sobrevivência, a natureza provê ao organismo as modificações para atender essa solicitação da melhor forma possí­vel. Os fatores para desencadear essa reação são a solicitação fí­sica direta e também a criação de um arquétipo mental.


Esse texto é um trecho do livro 108 famí­lias de asanas.

Marcos Taccolini iniciou seus estudos de Yoga em 1998. Após praticar em diversas escolas e adquirir uma visão geral do Yoga no Ocidente, adotou a tradição de Satyananda como referência de estudo. Em 2007 recebeu o mantra diksha (iniciação) na Índia com Paramahansa Niranjanananda, sucessor apontado por Svami Satyananda. Foi o autor do livro 108 famí­lias de asanas, idealizador, co-autor e revisor geral do Livro de Ouro de Yoga e definiu o currí­culo e as bases do Curso de Aperfeiçoamento e Formação em Yoga do Núcleo de Estudos Yoga Nataraja. Atualmente reside a maior tempo nos Estados Unidos, onde coordena sua empresa atuante na área de tecnologia e também tem o recolhimento necessário para suas práticas, com ênfase em Karma Yoga, Jñana Yoga, Kriya Yoga e Hatha Yoga. Entende como parte de sua prática de seva (serviço í  sociedade) compartilhar seu aprendizado e auxiliar na difusão do Yoga no Brasil. Dessa forma, ao menos duas vezes ao ano ministra seminários no Brasil. Como engenheiro formado por um dos mais conceituados centros tecnológicos do Pais, o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), apresenta os conceitos da filosofia e das técnicas do Yoga de forma lógica e didática, combinando sua familiaridade com as ciências exatas e sistemas com a sua experiência pessoal no Yoga, adquirida através dos anos de prática diligente e estudo dedicado.

Visite o seu website em www.yoganataraja.com.br.




Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *