Yoga ou bhoga?

Compartilhe esse conteúdo com alguém...
0 Flares 0 Flares ×
Professor Hermógenes » foto por Cacau Peres em 14/12/2009

Professor Hermógenes » foto por Cacau Peres

 

» por José Hermógenes (1921-)

Os Mestres insistiram em ensinar que, se pretendemos alcançar o Divino em nós, é-nos recomendado exercer um afiado, constante, profundo e claro discernimento, para defender-nos de ilusões, fantasias, equívocos e engodos. Só assim podemos evitar iludir-nos e, se já estivermos iludidos, desiludir-nos em relação ao mundo impermanente e, portanto, ilusório e decepcionante. Somente após desiludidos quanto à impossí­vel perenidade de tudo, pois tudo é transitório, chegaremos à mais libertadora e iluminadora conquista, que é desapegar-nos das coisas do mundo, sem o que não podemos começar a caminhada rumo à única realidade perene: Deus.

O “filho pródigo”, quando ainda seduzido e arrastado pelas atrações do mundo, não tem como entregar-se ao Yoga ensinado pelos Sábios e pelas escrituras. Ele ainda está se distanciando do Pai por preferir os dourados atavios da ilusão. Um “filho pródigo” assim, ainda encantado com as promessas e delí­cias mundanas, não quer saber da austeridade do Yoga ensinado pelas sagradas escrituras e pelos Mestres. É por isso que alguns deles inventam um Yoga que lhes seja útil na conquistas dos falsos valores pelos quais anseiam e batalham. Tal Yoga, acreditam, os ajudará alcançar o o que mais desejam: prazer e poder, fama e status. E, para isso, disciplina, autodomí­nio e humildade, sacrifí­cio e renúncia, veracidade e amor, finalmente cuidadosa vida ética…, nada importam. E podem mesmo atrapalhar.

O que se alcança sem ética, no entanto, não pode ser Yoga. Jóia de preço baixo só pode ser imitação medí­ocre.

Yoga é disciplina iluminativa a serviço de uma extrema opção pelo Divino. É inteligente auto-reeducação que nos leva a um natural desapego dos efêmeros encantos da vida material. O anti-yoga, dos egoí­stas, dominados por mil desejos, apegos e aversões, arrasa com últimos vestí­gios de lucidez, e isso os arruina e os atrela à escravidão e à dor. O anti-yoga tem um nome: bhoga.

Eu me preocupo com e me entristeço pelos muitos que se atolam em bhoga, principalmente se, iludidos, supõem estar praticando Yoga. Use os “olhos de ver e ouvidos de ouvir” (viveka, discernimento) para não “cair em tentação” e não chegar a “comprar gatos por lebres”. Não se deixe enganar. O falso Yoga e os “falsos profetas” andam muito ativos.

Bhoga se apresenta como uma metodologia fácil e sedutora; uma espécie de “caminho largo”, que conduz à servidão e à dor. O Yoga autêntico sempre foi e é a iluminada opção pela “porta estreita”, que conduz à “salvação”.

Difí­cil de atravessar, como o fio de uma navalha. Difí­cil é o caminho, dizem os poetas.
Katha Upanishad
O bem é uma coisa; o agradável é outra. Ambos, servindo a diferentes necessidades, vinculam um homem.
É bem sucedido aquele que, dos dois, optou pelo bem. Mas aquele que optou pelo agradável perde a meta.
Tanto o bem como o agradável se apresentam ao homem. A alma tranquila examina-os bem e discerne.
Eis que o sábio prefere o bem. Mas o tolo escolhe o agradável, por conta de sua ambição e avareza.

Katha Upanishad, I:1, 2

Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçosa a estrada que conduz à perdição, e são muitos os que por ela entram.
Mas estreita é a porta e apertada a estrada que conduz à Vida, e poucos são os que a encontram.

Mateus, 7:13,14

O Yoga é razoavelmente exigente, mas abre as portas à Luz e à Libertação. Bhoga é a submissão às trevas. Não sou eu quem afirma, mas os Mestres e as escrituras.

É extraordinária a austeridade e transcendente a sacralidade desse caminho para Deus. Dá para concluir que Yoga e atividade comercial e empresarial, exibicionismo e competição de contorcionismo estão em pólos opostos?! Dá para ver o quanto o Yoga hoje anda sendo desfigurado, desviado e distorcido?! Dá para ver o quanto o Yoga está longe dos que vivem em bhoga, dos que o confundem com atividade fí­sica, somente fí­sica?!

Neste ponto você poderá questionar: E o Hatha Yoga não é uma ginástica?

Supor que Hatha Yoga é simples ginástica tem prejudicado muito a imagem do Yoga. Tem levado quase todos a cuidar somente do corpo, ao fazer asanas e achar que estão praticando Yoga. É inegável que os asanas (posturas somato-psico-espirituais) realmente parecem com atividade fí­sica. Apenas parecem. Na verdade, porém, cada asana é uma atividade holí­stica, pois exercita a vastidão de todo sistema que cada um de nós é e não somente um de seus componentes – o fí­sico. Além do mais, não é algo repetitivo, mecânico, automático, orgástico, fatigante, digamos uma espécie de “malhação”.

Nenhum homem é apenas máquina. Nenhum iceberg é somente uma pedra de gelo que flutua. Algum dia não mais se falará em “educação fí­sica” ou “atividade fí­sica”.

A permanência do corpo em uma posição permite um eficaz acesso ao sistema nervoso autônomo, o que, em grande parte, explica os admiráveis resultados terapêuticos e as curas espantosas colhidos pelos praticantes de Yogaterapia.

O Hatha Yoga, mesmo em sua conceituação mais correta, mais cientí­fica, não constitui sozinho o Yoga. Aliás, ele é apenas o bê-a-bá do Yoga. Não é opinião minha, insisto, mas de uma venerável escritura própria do Hatha:

Assim como pelo aprendizado do alfabeto pode-se, através da prática, dominar todas as outras ciências, assim também, através de praticar inicialmente o Hatha Yoga, pode-se ascender à posse da Verdade.
Gheranda Samhita, 1.5
Não estou pretendendo reduzir a importância do Hatha. Seria ingratidão inominável. Ele foi peça da maior importância, quando, sozinho e doente, pratiquei asanas e outras técnicas com finalidade yogaterápica. Não menosprezo os asanas, e isso eu provo pois, com oitenta anosEsse artigo foi publicado em 30 de setembro de 2001, quando o Professor Hermógenes (1921-) tinha 80 anos de idade (nota do Editor), ainda “planto bananeira” e faço outras proezas. Só estou tentando evitar um equí­voco que vem sendo muito ruim para a conceituação do Yoga em sua imensidão. Os asanas fazem parte de um sistema muito maior. Sugiro aos praticantes que caprichem, que persistentemente pratiquem, mas nunca percam de vista o objetivo mais excelso do próprio Hatha Yoga: viabilizar a união com o Divino Ser que cada um é. Não usem asanas para favorecer bhoga. A prática somente de asanas pode degenerar em narcisismo patológico. Cuidado! Se os mais jovens exí­mios em asanas se consideram yogis, considerem também que os contorcionistas de circo seriam pessoas mais santas e mais evoluí­das que Jesus Cristo, S. Francisco de Assis, Santa Tereza de Ávila, Buddha, Gandhi, Chico Xavier… e outros que nunca fizeram asanas.

Todo instrutor de Yoga já deve ter estudado o Yoga Sutra, no qual seu autor, o sábio Patañjali, codificou todo o vetusto e milionário acervo da já existente ciência do Yoga. Ensina ele que, sendo a normal turbulência e tagarelice da mente que, tecendo uma densa cortina opaca velando o fulgor infinito de Purusha (o Ser, o Atma, a Realidade…), o Yoga consiste em parar a agitação da mente e emudecê-la, desfazendo a cortina e desnudando o esplendor interno. Como o conseguir? É através de um processo genial chamado Ashtanga Yoga ou Yoga dos oito componentes. É um caminho tão sábio que começa com dez procedimentos corretivos da conduta ética do aspirante. São cinco yamas e cinco niyamas.

Tal conduta, como se pode inferir, nada tem de fácil, mas daria elevado ní­vel de paz a cada um e, consequentemente, à sociedade. A dificuldade de viver yama é gigantesca nesta hora de amoralismo epidêmico na Humanidade.

Os niyamas são cinco procedimentos que devemos praticar a fim de conquistar a desejada paz conosco mesmo, pois só assim conseguiremos avançar para a iluminação. Eles são:

Sauchanpureza exterior e interior, fí­sica e psí­quica;

Santoshacontentamento, isto é, o incondicional sentimento de bastante; ausência de ambição…;

Tapasausteridade, vida modesta, humilde, resistência à dor e ao desconforto; é equanimidade; consiste em incinerar as tendências, desejos e apegos egocêntricos, inferiores, animalescos; indiferença ao conforto…;

Svadhyaya – estudo e investigação sobre o Ser Real, essência una e única de todos os seres, de todos os universos…;

Ishvarapranidhanaentregar-se total, incondicional, definitiva e irreversivamente a Deus (Ishvara).

Rarí­ssimos são os seres humanos que seguem essa ética super austera. É o preço altí­ssimo a ser pago pelo praticante do verdadeiro Yoga, a jóia maravilhosa que nada tem a ver com algumas “modalidades” encontradas no mercado.

Se você me pedisse orientação na escolha de um profissional de Yoga, eu diria: procure analisar o que ele diz e faz. Ele precisa pôr em prática os yamas e niyamas e o que Krsna ensinou a Arjuna no campo de batalha.

Adianto que, se você for rigoroso ao me analisar, poderá me reprovar. Tem-me sido difí­cil não falhar. Tenho ainda as naturais limitações humanas. Acredito, porém, que ao conseguir honestamente constatar minha própria falibilidade, me encontro melhor do que se inventasse um Yoga menos exigente, mas embusteiro, para cultivar. Recusei até agora esse auto-embuste, essa tão grosseira racionalização. Continuarei engajado no Yoga que acredito autêntico, embora difí­cil, o Yoga de Krsna, Patañjali, Jesus Cristo, ?iva, ?ankaracharya, Buddha, Sai Baba

Nunca lançarei no mercado um monstrengo rotulado, digamos, “Hermo Yoga” – horrí­vel! ignóbil! -, nascido de um chega-pra-lá na ética e no objetivo divino. Tais facilidades provavelmente me atrairiam muitos fregueses e me tornariam um empresário vitorioso.

O Yoga das escrituras e dos Mestres, como se pode ver, está ao alcance somente de rarí­ssimos seres humanos. No entanto, praticando Yoga, como disciplina para-médica, tuberculoso em estado graví­ssimo, sendo apenas um indiví­duo normal, ainda enfiado nos meandros de um viver medí­ocre, consegui reverter o quadro. Ressuscitei. Tornei-me uma outra pessoa, sadia, feliz, bem disposta, mais lúcida, sentindo paz, sentindo amor universal e liberdade ampla… Como?! Lidando com possivelmente dezenas de milhares de pessoas, ao longo de quarenta anos, em precárias condição de saúde orgânica e psí­quica, apenas ensinando-lhes Yoga, as vi vencer enfermidades no corpo, na mente e na vida de relação. É fácil constatar o poder maravilhoso da Yogaterapia.

Diante de fatos incontestes e inequí­vocos, conclui pela existência de um Yoga reservado aos santos ou quase santos, um método de durí­ssima ascese, portanto um Yoga elitista, para os poucos que podem, e outro, muito ameno, mas espantosamente eficaz, para as multidões que precisam.

Eu, pessoalmente, pratico e ensino o “Yoga para quem precisa“, o qual denomino Yogaterapia. As técnicas predominantes são as do Hatha Yoga fidedigno, sem enfeites nem modernismos, adaptadas às condições individuais dos alunos. Os princí­pios filosóficos e a meta suprema continuam as mesmas do “Yoga para quem pode“. É um caminho mais fácil, mas a anos-luz de distância de Bhoga, por procurar ser eminentemente fiel aos luminosos princí­pios e às sábias aspirações do genuí­no Yoga eterno.

Na tentativa de melhor elucidar o dois caminhos, proponho a você que estude este comparativo…

 

Os dois caminhos:

Caminho largo X caminho estreito

Caminho agradável X caminho bom

Pravritti marga X Nivritti marga

Alienação X Conscientização

Divergência X Convergência

Fragmentação X Religação

Cativeiro X Libertação

Samsara X Nirvana

Apego X Renúncia

Dukha X Sukha

Roga X Arogya

Bhoga X Yoga

 


Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Comentários

Yoga ou bhoga? — 1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *