O que é Vedanta?

Adi Shankaracarya (788-820 d.C.)

Adi Shankaracarya (788-820 d.C.)

» por Gloria Arieira

O homem é consciente de si mesmo, de um ser que é incompleto. Essa auto-apreciação é peculiar ao homem, visto que, sendo consciente, ele é também consciente das próprias imperfeições, o que dá origem ao descontentamento. Assim sendo, a vida de um dado indivíduo é governada por desejos, que estabelecem o fato dele não estar à vontade consigo mesmo.

Desejos diferem de indiví­duo para indiví­duo. Não existem duas pessoas com o mesmo grupo de desejos. Cada um cultiva desejos particulares ao ser influenciado pelo meio cultural e pelas condições de vida em que nasce e se desenvolve.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

A simbologia da história de Ganesha

Shiva, Parvati e Ganesha
» pela Equipe do Vidya Mandir

Ganesha é filho de Shiva e Parvati. Seu nome deriva da combinação das palavras sânscritas Gana (multidão, exército) e Isha (Senhor) = Ganesha (Senhor de todos os seres). O mito sobre Ganesha, conforme está escrito nos Puranas, nos conta que Shiva ausentava-se muito de casa e passava longos períodos de retiro nas montanhas. Nessas ocasiões, Parvati ordenava a um guardião que não permitisse a entrada de ninguém em seu palácio sem sua autorização. Todos os guardiões, entretanto, falharam em seguir a ordem de Parvati quando se tratava de Shiva querendo entrar em sua própria casa. Parvati decidiu, então, colocar uma pessoa que obedecesse somente ordens suas e não deixasse nem mesmo Shiva entrar, e criou de sua própria matéria um boneco, dando-lhe vida como seu filho e tornando-o seu guardião particular.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Vida de Yoga, Vedanta e Surf » entrevista com Pedro Kupfer

Pedro Kupfer surfando
Cadernos de Yoga: Você praticou diferentes linhas de Hatha Yoga. Como se deu o processo de tirar o foco da prática do corpo para o estudo de Vedanta?

Pedro Kupfer: A bem da verdade, não tirei o foco da prática corpórea, pois nunca deixei de praticar Hatha Yoga. O que mudou foi a minha relação com essa prática. Antes, acreditava que se fosse um bom menino e praticasse todos os asanas, pranayamas e meditações, o samadhi iria acontecer em algum momento, como por arte de mágica. Evidentemente, depois de mais de 10 anos praticando intensamente e esperando o tão ansiado momento, vi que esse caminho não iria me levar a lugar algum.

A inquietude que não cessava, a vontade de compreender o porquê desse aparente fracasso e a inquebrantável confiança que sempre senti pelo Yoga, me levaram a buscar outras soluções. Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...