Benefícios de padangusthasana e pada hastasana, segundo Lino Miele

Compartilhe esse conteúdo por meio do

Padangusthasana e pada hastasana, em desenho por John Scott

Padangusthasana e pada hastasana, em desenho por John Scott

» por Lino Miele (1)

Estes dois asanas (padangusthasana, postura do polegar no pé, e pada hastasana, postura da mão no pé) têm um papel importante para o início do processo de purificação.

Reduzem o acúmulo de gordura ao redor da cintura e do abdômen.

Trabalham todos os órgãos internos do abdômen (udara), prevenindo e curando indisposições do estômago, aliviando a prisão de ventre (malabaddata), fator importante na formação de toxinas no corpo, que pode causar o início de uma enfermidade.

Veja MAIS »

  1. Texto extraído da página 20 do livro Astanga Yoga (1996, 2009), de Lino Miele, com tradução de Regina Ehlers, Editora Jaboticaba, São Paulo, e digitado por Cristiano Bezerra em 19 de outubro de 2010. []
Compartilhe esse conteúdo por meio do

Benefícios de garbha pindasana, a postura do embrião no útero, segundo Lino Miele

Compartilhe esse conteúdo por meio do

Garbha pindasana, a postura do embrião no útero, em desenho por John Scott

Garbha pindasana, a postura do embrião no útero, em desenho por John Scott

» por Lino Miele (1)

Garbha pindasana, a postura do embrião no útero, é especialmente benéfica para mulheres, pois fortalece o útero (garbha kosha) e o reto (guda nala).

Limpa e tonifica o fígado (yakrut) e o baço (pleeha).

Ativa os três primeiros chakras.

Diz-se que o balanço circular de nove voltas no sentido horário representa os nove meses de gestação humana.

Diz-se também que esse asana prepara o feto para um posicionamento correto no momento do parto.

Veja MAIS »

  1. Texto extraído da página 60 do livro Astanga Yoga (1996, 2009), de Lino Miele, com tradução de Regina Ehlers, Editora Jaboticaba, São Paulo, e digitado por Cristiano Bezerra em 18 de dezembro de 2018. []
Compartilhe esse conteúdo por meio do

Curso Instantâneo (e gratuito!) de Formação e receita infalível para ficar rico ensinando Yoga

Compartilhe esse conteúdo por meio do

Sadhu, asceta yogin que renunciou à vida em sociedade

Sadhu, asceta yogin que renunciou à vida em sociedade

» por Pedro Kupfer (1966-), do yoga.pro.br

Não quero ser repetitivo com os temas que escolho para escrever no site yoga.pro.br (1), mas as atuais circunstâncias nos mostram que alguns assuntos estão longe de se esgotar. Um deles é o tratamento patife e caricato que o Yoga está recebendo nos meios de comunicação. Do jeito que as coisas estão sendo apresentadas, esse sofisticado sistema de filosofia está ficando muito parecido com um cachorro vira-lata (com todo respeito pelos simpáticos quadrúpedes).

Para evitar que as coisas piorem, achei que seria uma boa ideia estipular um padrão mínimo de ensino para que essa tradição milenar não se perca. Dessa forma, e inspirado pelos cursos de nivelamento oferecidos pelos CREFs, criei um Curso Instantâneo de Formação. Igualmente, juntei a ele uma série de dicas importantes que podem ser aplicadas por aqueles que aspiram a ficar ricos ensinando Yoga, sem abrir mão da profundidade filosófica dos ensinamentos (tá bom, só um pouquinho!).

Veja MAIS »

  1. Esse artigo foi originalmente publicado em 25 de novembro de 2003 em yoga.pro.br []
Compartilhe esse conteúdo por meio do

Benefícios de kurmasana, a postura da tartaruga, segundo Lino Miele

Compartilhe esse conteúdo por meio do

Kurmasana e supta kurmasana, a postura da tartaruga, em desenho por John Scott

Kurmasana e supta kurmasana, a postura da tartaruga, em desenho por John Scott

» por Lino Miele (1)

Esses asanas, kurmasasana, a postura da tartaruga, e supta kurmasana, a postura da tartaruga adormecida, têm efeito estimulante sobre o kanda. O kanda não é um elemento físico. Ele encontra-se no corpo sutil, e é a raiz, a fonte de onde se originam todos os nadis. Está localizado a 4 polegadas abaixo do umbigo, acima do assoalho pélvico. Tem a forma de um ovo e provê suporte a 72.000 nadis (canais de energia vital).

Veja MAIS »

  1. Texto extraído da página 58 do livro Astanga Yoga (1996, 2009), de Lino Miele, com tradução de Regina Ehlers, Editora Jaboticaba, São Paulo, e digitado por Cristiano Bezerra em 18 de dezembro de 2018. []
Compartilhe esse conteúdo por meio do