A ciência do Kriya Yoga

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Paramahansa Yogananda (1893 - 1952) em padmasana, a postura da flor de lótus

Paramahansa Yogananda (1893 – 1952) em padmasana, a postura da flor de lótus

» por Paramahansa Yogananda (1893 – 1952)

A ciência do Kriya Yoga, mencionada tantas vezes nas páginas da Autobiografia de um Yogi, tornou-se amplamente conhecida, na Índia moderna, por intermédio de Lahiri Mahasaya, guru de meu guru. A raiz sânscrita de kriya é kri, fazer, agir, reagir; a mesma raiz se encontra na palavra karma, o princípio natural de causa e efeito. Assim, Kriya Yoga é “união (Yoga) com o Infinito por meio de certa ação ou rito (kriya)”. Um yogi que pratica fielmente essa técnica liberta-se gradualmente do karma ou da legítima cadeia de equilíbrio entre causas e efeitos.

Em virtude de antigas imposições yogikas, não me é permitido dar uma explicação completa do Kriya Yoga em um artigo destinado ao público em geral. A verdadeira técnica deve ser aprendida de um Kriyaban (Kriya Yogi), autorizado pela Self-Realization Fellowship / Yogoda Satsanga Society of India1. Aqui me limitarei a certas referências.

Veja MAIS »

  1. Paramahansa Yogananda concedeu, aos que o sucederiam como presidentes e líderes espirituais de sua associação (Self-Realization Fellowship / Yogoda Satsanga Society of India), a autoridade de dar instruções e iniciação aos estudantes qualificados para receber o Kriya Yoga, ou para designarem um ministro religioso ordenado pela SRF/YSS. Também providenciou a divulgação perpétua da ciência do Kriya Yoga através das Lições da Self-Realization Fellowship (Yogoda), disponíveis na Sede Central da SRF em Los Angeles. (Nota da Editora) []
Compartilhe esse conteúdo com alguém...

O que é Yoga?

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Aula de Yoga em casa. Aluna Raquel em virabhadrasana III, a terceira postura do guerreiro. Foto por Cristiano Bezerra.

Aula de Yoga em casa. Aluna Raquel em virabhadrasana III, a terceira postura do guerreiro. Foto por Cristiano Bezerra.


» por Karin Heuser Wolff

Existem várias linhas, vários métodos de Yoga, e neste artigo pretendo apresentar um apanhado geral do que é o Yoga, suas técnicas, o sistema de Patañjali e a ética do Yoga nos yamas e niyamas.

A palavra Yoga deriva da raiz sânscrita yuj, que significa jungir, atar, reunir, religar, dirigir e concentrar a atenção sobre, usar e aplicar. Significa também união ou comunhão, além de uma atitude da consciência que permite a alguém encarar a vida em todos os seus aspectos com equanimidade.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Hatha Yoga, uma ginástica…

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Professor Hermógenes em padmasirshasana na década de 1960

Professor Hermógenes em padmasirshasana na década de 1960

» por José Hermógenes (1921-)

Praticar ginástica é cada dia mais necessário, principalmente àqueles que vivem numa grande cidade, desempenhando ocupações sedentárias. As pessoas vivem em regime de sobrecarga para a mente, provocada por preocupações e problemas de toda espécie, desde a falta de empregadas domésticas até a iminência de um conflito nuclear, desde a dificuldade de transporte até a alta incessante do custo de vida… Por outro lado, há também a sobrecarga para o pobre organismo (nervos, músculos…), porque é preciso trabalhar em mais de um emprego a fim de não sucumbir às condições aflitivas do orçamento. O excessivo desgaste físico e mental conduz o homem a encher a casa de quinquilharias que a técnica fabrica para dar-lhe mais comodidade à vida, e também o leva a correr à caça de múltiplos divertimentos excitantes. As ocupações rotineiras e sedentárias o fadigam. A efervescência político-social o neurotiza. As comodidades o amolecem. Os divertimentos quase sempre o fatigam. Raramente consegue o homem moderno repousar e recuperar-se. Isso é coisa que somente durante as férias anuais poucos conseguem.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

O agora tem um poder indescrití­vel » entrevista com Robert Broughton

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Robert Broughton» por Rose Mary Bezerra

Não existe nada de errado em sofrer. É através do sofrer que cada um se volta e olha para dentro de si. O estado natural do sersatisfação, contentamento, bem-estar e paz – está sempre com cada um, na presença de cada momento. O esquecimento disso nos retira do agora. Foi o que descobriu o australiano Robert Broughton, músico que largou o rock para trilhar um caminho espiritual, virou vendedor e descobriu o poder de estar presente. Ele esteve em Fortaleza nos dias 5 a 7 de dezembro de 2008 ministrando o workshop O Poder Além da Mente. Leia aqui a entrevista concedida ao suplemento Viva do jornal Diário do Nordeste por e-mail.

Rose – Poderia nos esclarecer por que o agora tem tanto poder?

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...