Curso Instantâneo (e gratuito!) de Formação e receita infalível para ficar rico ensinando Yoga

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Sadhu, asceta yogin que renunciou à vida em sociedade

Sadhu, asceta yogin que renunciou à vida em sociedade

» por Pedro Kupfer (1966-), do yoga.pro.br

Não quero ser repetitivo com os temas que escolho para escrever no site yoga.pro.br (1), mas as atuais circunstâncias nos mostram que alguns assuntos estão longe de se esgotar. Um deles é o tratamento patife e caricato que o Yoga está recebendo nos meios de comunicação. Do jeito que as coisas estão sendo apresentadas, esse sofisticado sistema de filosofia está ficando muito parecido com um cachorro vira-lata (com todo respeito pelos simpáticos quadrúpedes).

Para evitar que as coisas piorem, achei que seria uma boa ideia estipular um padrão mínimo de ensino para que essa tradição milenar não se perca. Dessa forma, e inspirado pelos cursos de nivelamento oferecidos pelos CREFs, criei um Curso Instantâneo de Formação. Igualmente, juntei a ele uma série de dicas importantes que podem ser aplicadas por aqueles que aspiram a ficar ricos ensinando Yoga, sem abrir mão da profundidade filosófica dos ensinamentos (tá bom, só um pouquinho!).

Veja MAIS »

  1. Esse artigo foi originalmente publicado em 25 de novembro de 2003 em yoga.pro.br []
Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Quem manda no teu desejo?

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Kamadhenu, a vaca sagrada do deus Indra, na Mitologia Hindu

Kamadhenu, a vaca sagrada do deus Indra, na Mitologia Hindu


» por Ernani Fornari (Dharmendra)

Quando lemos textos ou ouvimos palestras sobre alimentação natural, o assunto acaba geralmente circulando em torno das questões relacionadas com a qualidade dos alimentos, as virtudes dos cereais integrais, a contaminação dos alimentos, os malefícios da carne e do açúcar branco, etc, etc. Tudo isso está abundantemente desdobrado na numerosa literatura disponível.

Este texto pretende abordar uma outra questão que é pouco colocada e que é o que verdadeiramente norteia, na grande maioria das pessoas, o ato de comer e a opção pelos alimentos: o desejo.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Documentário HOME – Nosso planeta, nossa casa (2009)

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Documentário HOME - Nosso planeta, nossa casa (2009)

Documentário HOME – Nosso planeta, nossa casa (2009)

HOME é um documentário lançado em 2009 e produzido pelo jornalista, fotógrafo e ambientalista francês Yann Arthus-Bertrand.

O filme é inteiramente composto de imagens aéreas de vários lugares da Terra. Mostra-nos a diversidade da vida no planeta e como a humanidade está ameaçando o equilíbrio ecológico.

Foi lançado simultaneamente ao redor do mundo em 5 de junho de 2009 nos cinemas, em DVD e no YouTube. Estreado em 50 países diferentes, é totalmente gratuito e sem lucros comerciais.

HOME foi filmado em vários estágios devido à extensão das áreas retratadas. Levando cerca de 18 meses para ser completado, o diretor Yann Arthus-Bertrand, um operador de câmera, um engenheiro de câmera e um piloto voaram em um pequeno helicóptero através de várias regiões em cerca de 50 países. A filmagem foi feita utilizando câmeras Cineflex de alta definição suspensas em uma esfera giratória estabilizada, montada na base do helicóptero.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Hatha Yoga, uma ginástica…

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Professor Hermógenes em padmasirshasana na década de 1960

Professor Hermógenes em padmasirshasana na década de 1960


» por Professor Hermógenes (1921-2015)

Praticar ginástica é cada dia mais necessário, principalmente àqueles que vivem numa grande cidade, desempenhando ocupações sedentárias. As pessoas vivem em regime de sobrecarga para a mente, provocada por preocupações e problemas de toda espécie, desde a falta de empregadas domésticas até a iminência de um conflito nuclear, desde a dificuldade de transporte até a alta incessante do custo de vida… Por outro lado, há também a sobrecarga para o pobre organismo (nervos, músculos…), porque é preciso trabalhar em mais de um emprego a fim de não sucumbir às condições aflitivas do orçamento.

O excessivo desgaste físico e mental conduz o homem a encher a casa de quinquilharias que a técnica fabrica para dar-lhe mais comodidade à vida, e também o leva a correr à caça de múltiplos divertimentos excitantes. As ocupações rotineiras e sedentárias o fadigam. A efervescência político-social o neurotiza. As comodidades o amolecem. Os divertimentos quase sempre o fatigam. Raramente consegue o homem moderno repousar e recuperar-se. Isso é coisa que somente durante as férias anuais poucos conseguem.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...