Curso Instantâneo (e gratuito!) de Formação e receita infalível para ficar rico ensinando Yoga

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Sadhu, asceta yogin que renunciou à vida em sociedade

Sadhu, asceta yogin que renunciou à vida em sociedade

» por Pedro Kupfer (1966-), do yoga.pro.br

Não quero ser repetitivo com os temas que escolho para escrever no site yoga.pro.br (1), mas as atuais circunstâncias nos mostram que alguns assuntos estão longe de se esgotar. Um deles é o tratamento patife e caricato que o Yoga está recebendo nos meios de comunicação. Do jeito que as coisas estão sendo apresentadas, esse sofisticado sistema de filosofia está ficando muito parecido com um cachorro vira-lata (com todo respeito pelos simpáticos quadrúpedes).

Para evitar que as coisas piorem, achei que seria uma boa ideia estipular um padrão mínimo de ensino para que essa tradição milenar não se perca. Dessa forma, e inspirado pelos cursos de nivelamento oferecidos pelos CREFs, criei um Curso Instantâneo de Formação. Igualmente, juntei a ele uma série de dicas importantes que podem ser aplicadas por aqueles que aspiram a ficar ricos ensinando Yoga, sem abrir mão da profundidade filosófica dos ensinamentos (tá bom, só um pouquinho!).

Veja MAIS »

  1. Esse artigo foi originalmente publicado em 25 de novembro de 2003 em yoga.pro.br []
Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Aceitando as pessoas e situações como elas são

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Camila Reitz em utthita hasta padangustasana» por Camila Reitz

Sempre fui uma pessoa que não se conforma facilmente com os fatos que envolvem injustiça, falta de caráter e, principalmente, acontecimentos que são desagradáveis para mim. Também sempre tive muita dificuldade em aceitar as pessoas como elas são, principalmente quando elas não são exatamente como eu gostaria que fossem. Sou uma pessoa comum, não diferente de todas as que julgam e tem aquela frase formada na ponta da língua: “na situação dele ou dela, EU faria de outra forma”.

Confesso que percebi, ao longo dos anos, que esse tipo de postura só fazia mal a mim mesma, afinal esse inconformismo produzia um sentimento de frustração muito grande que levava a um estado de raiva e não aceitação dos fatos. Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...