Orientações aos iniciantes na prática do Hatha Yoga

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Aula de Yoga em casa. Aluna Raquel em sarvangasana, a postura invertida sobre os ombros. Foto por Cristiano Bezerra.

Aula de Yoga em casa. Aluna Raquel em sarvangasana, a postura invertida sobre os ombros. Foto por Cristiano Bezerra.

» por Milton Cunha (1919-2000)

As técnicas de respiração, relaxamento e meditação constituem a base da prática do Hatha Yoga. Dessa forma, não devemos confundir o Hatha Yoga com o contorcionismo das ginásticas que exigem do corpo o máximo de flexibilidade. Na realidade, a milenar ciência indiana é muito mais a interação corpo-mente do que um simples exercício físico. Essa visão holística nos conduz a uma reeducação integral, o caminho do autodomínio que nos leva a uma transformação interior.

Yoga não é religião, apesar de fortemente impregnada de Hinduísmo. Sua prática vitaliza a vida religiosa, qualquer que seja o seu credo. Não é difícil, não cansa, não desperdiça energias, podendo ser praticada por pessoas de ambos os sexos em qualquer idade, tornando-se acessível aos idosos e enfermos. Também não é uma ginástica. Suas posições ou posturas são representações simbólicas, expressando uma maneira de estar para atingir um modo de ser, orientando a circulação de energias em todo o corpo.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Hatha Yoga, uma ginástica…

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Professor Hermógenes em padmasirshasana na década de 1960

Professor Hermógenes em padmasirshasana na década de 1960

» por José Hermógenes (1921-)

Praticar ginástica é cada dia mais necessário, principalmente àqueles que vivem numa grande cidade, desempenhando ocupações sedentárias. As pessoas vivem em regime de sobrecarga para a mente, provocada por preocupações e problemas de toda espécie, desde a falta de empregadas domésticas até a iminência de um conflito nuclear, desde a dificuldade de transporte até a alta incessante do custo de vida… Por outro lado, há também a sobrecarga para o pobre organismo (nervos, músculos…), porque é preciso trabalhar em mais de um emprego a fim de não sucumbir às condições aflitivas do orçamento. O excessivo desgaste físico e mental conduz o homem a encher a casa de quinquilharias que a técnica fabrica para dar-lhe mais comodidade à vida, e também o leva a correr à caça de múltiplos divertimentos excitantes. As ocupações rotineiras e sedentárias o fadigam. A efervescência político-social o neurotiza. As comodidades o amolecem. Os divertimentos quase sempre o fatigam. Raramente consegue o homem moderno repousar e recuperar-se. Isso é coisa que somente durante as férias anuais poucos conseguem.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Saúde na Terceira Idade – entrevista com Professor Hermógenes

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Aos 35 anos de idade, em 1956, José Hermógenes de Andrade Filho se sentia um velho. 40 anos depois, em 1996, aos 75 anos de idade, o professor Hermógenes – como passou a ser conhecido ao publicar seus primeiros livros sobre as técnicas e a filosofia do Hatha Yoga, na década de 1960 – considerava-se no auge da vida, e continuava disposto a ensinar o caminho das pedras do equilí­brio fí­sico e espiritual para quem achava que já o conhecia: os idosos. Em Saúde na Terceira Idade¸ editado e publicado em 1996 pela editora Nova Era, o escritor mostra que o segredo de uma vida plena, mesmo em idade avançada, está no cultivo de hábitos saudáveis como exercí­cios, meditações e orações, e apresenta técnicas simples de massagem, relaxamento e alimentação, demolindo a idéia de que a vida vai acabando com a passagem dos anos.

A rotina do professor Hermógenes em 1996 demonstrava a eficácia de seus ensinamentos. Seu dia começava às 4h com períodos de automassagem, meditações e orações. Depois do café da manhã, caminhava tranquilamente pelas ruas da Urca antes do encontro diário com o computador, onde estava preparando mais um livro. Durante a tarde, novas caminhadas e orações, jantar e estudos í  noite. Tudo sem pressa e com absoluto desprezo por qualquer tipo de modismo. “Quem se deixa contagiar pela normose está perdido”, diz, referindo-se aos maus hábitos cristalizados como normais pela sociedade, como o consumismo e a corrupção.
Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...