Benefícios de utthita hasta padangusthasana, segundo Lino Miele

Utthita hasta padangusthasana, em desenho por John Scott

Utthita hasta padangusthasana, em desenho por John Scott


» por Lino Miele

Este asana, utthita hasta padangusthasana (postura do polegar no pé com a mão estendida), fortalece os músculos das pernas e aumenta a sua flexibilidade.

Tonifica e purifica os rins.

Alivia a prisão de ventre e torna as articulações dos quadris flexíveis.

Estimula os três nós (granthis traya) localizados na base do sushumna nadi, no interior dos diminutos ossos do cóccix.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Chega de remédios falsos » entrevista com o Professor Hermógenes

Professor Hermógenes no Retiro de Carnaval de 2008

Professor Hermógenes no Retiro de Carnaval de 2008

Diante da perspectiva de uma crise econômica, ética e moral, o Prof. José Hermógenes nos afirma, em 1998, a simples e eficiente receita de nos encontrarmos com o verdadeiro propósito do Yoga. Ele próprio já é um manifesto vivo. Mesmo assim, seu depoimento resulta numa fervorosa defesa da essência dessa prática milenar.

Adilson Cabral – Como foi o início de sua trajetória no Yoga?

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Asana, dor e alinhamento

Cristiano Bezerra em preparatório do janusirshasasana » foto por Ana Lorena Magalhães

Cristiano Bezerra em preparatório do janusirshasasana » foto por Ana Lorena Magalhães

» por Pedro Kupfer

Há dois tipos de dor que você pode sentir numa prática de asana: uma positiva e outra negativa. A dor positiva é aquela que você sente nos músculos, e que é sinal de que está trabalhando e mexendo nas estruturas físicas, dando a si mesmo um novo corpo. A dor negativa é a que você sente nas juntas, no interior das articulações, e que significa que você está forçando demasiado, fazendo os exercícios sem alinhamento ou praticando sem atenção ou sem a atitude mental correta. Se você tiver um corpo extremadamente flexível, precisa redobrar esses cuidados. Uma opção é trabalhar dentro da margem de segurança, evitando quaisquer exageros (recomendada para pessoas muito flexíveis). A outra, igualmente válida, seria trabalhar no limiar, no ponto onde o prazer se transforma em dor (mais adequada para pessoas não tão flexíveis assim). Nesse último caso, se pede atenção redobrada para evitar acidentes.

Veja MAIS »

Compartilhe esse conteúdo com alguém...