Uma “nova” ética para os relacionamentos amorosos

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Pin It Share 0 LinkedIn 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

Khajuraho
» por Rosana Biondillo

Por ter, como todos vocês que me lêem agora, passado por algumas amargas experiências no setor dos relacionamentos amorosos, comecei a prestar mais atenção à minha volta, procurando entender pelo menos um pouco do que andou me acontecendo.

Não sei se entendi, mas minhas observações estão se transformando numa pesquisa informal: observo as atitudes de pessoas que eu conheço, que são somadas aos comentários que ouço e aos desabafos que escuto. E, pasmem, depois de um tempo fazendo isso, passei alguns meses me sentindo quase um lixo de mulher.

Querem saber por quê?

Porque eu “descobri” uma coisa que já anda acontecendo há séculos, mas que nunca antes me chamou tanto a atenção:

As pessoas fazem sexo primeiro pra descobrir se se gostam como pessoas depois!

Primeiro se transa, depois se vê se se admira.

Primeiro se transa, depois se vê se se respeita.

Primeiro se transa, depois se vê se se importa.

Esse comportamento antes era tido como masculino, porque os homens, mais do que as mulheres, costumavam agir assim. Homens traíam mais e selecionavam menos suas parceiras. Sem querer ser machista ou preconceituosa, essa era a idéia geral. Hoje, não mais.

Hoje, de acordo com algumas estatísticas mais recentes e pelos meus estudos informais, as mulheres traem quase na mesma proporção e já selecionam bem menos seus parceiros. A ponto de eu ter chegado a ouvir, de uma garota de apenas 18 anos, a seguinte constatação:

É bom eu ficar com esse mesmo (leia-se: namorado), porque tá difícil de encontrar homem.

Embora chulas, essas foram as exatas palavras que escutei. E, considerando-se que estamos no século XXI, é tudo muito triste, não é?

Assim como já me foi triste ter que ouvir que eu sou muito sensível e que me importo muito em fazer a coisa certa. A sugestão que eu mais ouvi e ouço até hoje é:

Deixa rolar pra ver no que vai dar!

Confesso que passei uns tempos bem desanimada, até desapontada comigo mesma, simplesmente por não conseguir ser assim. Até que comecei a realizar que, apesar de tudo isso, essas mesmas pessoas, homens e mulheres, não estavam assim tão felizes. Pelo menos, nem um terço do que esperavam ser.

Descobri, também, que eles não conseguem ser tão espontâneos quanto gostariam, e que passam boa parte do tempo em elucubrações estratégicas para fazer o relacionamento racionalmente “valer a pena”.

Mas foi aí também que eu percebi uma coisa fantástica, que mudou meu olhar e me trouxe uma certeza reconfortante: é essencial poder ser diferente, embora não seja nada fácil.

Acabei, a duras penas, descobrindo que eu adoro poder ser mulher e ser feminina, que eu não gosto de medir forças quando me interesso sinceramente por um homem, e que eu admiro demais as pessoas que conseguem ficar sozinhas sem ser solitárias, que não sucumbem a qualquer apelo pra ter alguém do lado.

Descobri que repugno essa safra de mulheres-profissionais e de homens-sazonais.

Descobri que a maioria é, quase sempre, burra (não estou falando de QI, mas de consciência) e que existem coisas que não se faz, mesmo que muuuuuuuuuita gente esteja fazendo1.

Descobri que a maior ética para qualquer relacionamento, especialmente aqui o homem-mulher, é tão antiga e tão suprema:

Não faça ao outro aquilo que você não gostaria que fizessem a você.

Não traia, a não ser que você ache o máximo ser traído/a; não brinque com os sentimentos de ninguém, a não ser que você receba de bom grado esse mesmo tipo de tratamento; não mantenha uma relação apenas por não ter ninguém melhor no momento ou por conveniência, ou apenas porque você não suporta nem a idéia de ficar sozinho/a.

O tempo é precioso demais pra não levar a lugar nenhum. Em resumo: não enrole!!!

Posso continuar escrevendo por horas a fio, mas acho que já deu pra entender.

Evoluir como seres humanos é tarefa árdua para homens e mulheres, sem distinção, pois em essência, somos todos um. Como dizia o filósofo Santo Agostinho: na essência a unidade, na aparência a liberdade. E como também dizia Krishnamurti: a liberdade não é uma reação – é um sentimento.

Em pleno século XXI, quando o assunto são os relacionamentos amorosos, a grande liberdade é saber se comprometer consigo mesmo: sem egocentrismos, sem possessividades, sem dependências, oferecendo apenas o seu melhor e fazendo despertar no outro o que ele tem de melhor.


Artigo originalmente publicado em 23 de agosto de 2009.

Rosana Biondillo
© 2009 por Rosana Biondillo. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução sem autorização da autora.

Rosana Biondillo é professora-yogini & escritora-blogueira. Escreve regularmente em seus blogs e twitta diariamente.

Para mais informações e leituras, consulte:

Blog Yoga & Yoguices: rosanabiondillo.blogspot.com
Twitter: www.twitter.com/rosanabiondillo
Facebook: www.facebook.com/rosanabiondillo



  1. “O que é errado é errado, mesmo que todos o façam. O que é certo é certo, mesmo que ninguém o faça.” (Sri Sathya Sai Baba (1926 – 2011), educador indiano) [Nota do Editor] []
Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Comentários

Uma “nova” ética para os relacionamentos amorosos — 8 Comentários

  1. Eu não estou conseguindo agir no mundo de hoje, pois os homens estão escolhendo as mulheres de uma forma mais ousada. Tipo, sexo no primeiro encontro com intuito de testar a pessoa e ver qual é a melhor de cama.

  2. Realmente, procurar qualidade, empatia e comunhão está bem fora de moda, principalmente para os do sexo masculino, bem como saber sair de um relacionamento desgastado ou ainda que deixe muito a desejar somente para não ficar só. A solidão momentânea também tem o sua função social. Abaixo os relacionamentos rançosos.

  3. Rosana, estou no teu time. Penso como você, e, com certeza, já senti, fui pressionada, percebi e ouvi as mesmas bobagens….
    Relacionamento bom não dá trabalho, não desgata. É pra dar alegria, companheirismo… simplesmente fluir!
    Que bom que ainda há muitos homens e mulheres bacanas, sim.
    Beijos.

  4. Estou agradecendo pelas informações.
    O Ekadanta Yogashala tem contribuído maravilhosamente para o autoconhecimento, e, portanto, para o desenvolvimento humano.
    Grata!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *