Marco Schultz desvelado

Compartilhe esse conteúdo com alguém...
0 Flares 0 Flares ×

O conceituado professor abre o coração para o site Eyoga.com.br
e conta sua trajetória no Yoga.

Marco Schultz
eYoga » Como foi seu primeiro contato com o Yoga? O que o levou a começar a praticar?

Marco » O primeiro contato “formal” que tive com o Yoga foi no final da década de 1980, quando eu morava e estudava na Califórnia. No entanto, a busca por um sentido espiritual em minha vida começou muito cedo. Lembro de momentos, ainda criança, de profunda crise existencial. Tive uma infância bem bacana, mas uma misteriosa sensação de angústia quase sempre me acompanhou. De lá pra cá fiz muita terapia, muitos cursos, formações, retiros, peregrinei por vários lugares do mundo, sempre estudando e investigando temas relacionados ao desenvolvimento humano integral e ao crescimento espiritual. A vontade de entender e superar meus próprios conflitos, e o sofrimento, foi a principal razão de eu começar a praticar Yoga.

eYoga » Quais as mudanças que você sentiu em si depois que começou a praticar?

Marco » Sinto que a prática me abriu possibilidades que antes eu desconhecia. Possibilidades de entender a vida com mais grandeza, humildade, responsabilidade e maturidade. Possibilidades de acabar com o sofrimento, de ser uma pessoa mais útil, menos egoísta, de amar, servir e realizar Deus…

eYoga » Como você consegue colocar o Yoga na sua vida diária?

Marco » Esse é o grande desafio, a prática do Yoga no dia a dia… A vida é a grande oportunidade que temos para crescer, evoluir e compreender a “Realidade Maior”. Tento usar tudo que acontece comigo, muitas vezes no contexto mais ordinário da minha existência, para exercitar a atenção plena, a responsabilidade consciente, o desapego, a paciência, enfim, tudo que ainda há para ser trabalhado. Reconheço que é muita coisa, mas o importante é que me sinto cada vez mais consciente das minhas ações, menos escravo das minhas ilusões.

eYoga » A que você credita o aumento da procura pelo Yoga?

Marco » Talvez ao fato das pessoas estarem insatisfeitas com suas vidas, começando a questionar seus valores e formas de viver. O ser humano sempre buscou um “algo a mais” para preencher sua vida, talvez hoje a carência humana esteja apenas mais explícita. Até mesmo a forma superficial que o Yoga muitas vezes é praticado nos dias de hoje é válida, faz parte. De pouco a pouco, cada um vai se aprofundando e, inevitavelmente, vai se compreendendo que o Yoga é muito mais que uma atividade voltada ao bem estar pessoal, mas sim um maravilhoso caminho de autoconhecimento. É somente através do autoconhecimento que podemos verdadeiramente nos realizar e contribuir para um mundo melhor.

eYoga » Quais são os tipos de Yoga com os quais você mais se identifica? Por que?

Marco » Eu gosto de investigar diferentes formas de praticar Yoga, inclusive fora da tradição do Yoga. Tenho dificuldades de separar minha prática devocional da minha prática de meditação, minha prática de asanas dos meus estudos, minha vida pessoal e profissional da minha vida espiritual. Está tudo interligado. Yoga, em essência, é atenção na ação, é estar integrado com o Todo, é viver de forma consciente o aqui e o agora de nossas vidas. Não importa qual caminho trilhamos, o importante é a qualidade da presença que praticamos ao caminhar…

eYoga » No encarte do volume 1 do CD Simplesmente Satsang, você conta que a música devocional simplesmente aconteceu em sua vida. Poderia nos falar um pouco sobre o princípio de seu envolvimento com o Bhakti Yoga? Como tem sido esse processo?

Marco » A prática de Yoga nos ajuda a aquietar a mente. Do momento que a mente está mais calma e centrada, naturalmente estamos mais conectados. Nesse estado, sem a interferência da mente condicionada, experimentamos o Bhakti, a saudosa presença de Deus em nossos corações. Esse é o grande objetivo do canto de mantras. Quando não vivemos identificados com o ego, temos a chance de verdadeiramente compreender Deus, o Amor, o Silêncio, o Todo, além dos conceitos limitados que damos a esses temas.

eYoga » Em geral, são músicos que se interessam pelo Bhakti? Ou a música simplesmente brota do coração daquele em união com a Fonte?

Marco » Desde sempre a música é usada como um canal transcendental para as mais variadas tradições espirituais do mundo. A música é um instrumento divino para podermos expressar nossa misteriosa, vulnerável e encantadora humanidade. É um meio para a conexão com nós mesmos, com nossa essência, com a Unidade. Na tradição de Bhakti Yoga, o canto devocional é indispensável, não necessariamente de uma maneira estética ou performática, mas sim como uma prática espiritual, uma forma de oração e comunicação transcendental.

Os Satsangs são abertos e gratuitos. Como vocês conseguem viabilizar a realização dos encontros e tantas viagens?

Marco » Todos os Satsangs acontecem pelo amor, pelo trabalho e pela dedicação de inúmeras pessoas. Existe uma logística bem complexa para conseguirmos pagar os gastos dos encontros, mas tudo é realizado de uma forma muito bem organizada e solidária. A venda dos CDs, a doação e a contribuição das pessoas é fundamental para tudo isso acontecer. E claro, sinto a graça de Deus bem presente nos ajudando, afinal estamos servindo… Nossa intenção é contribuir para que mais e mais pessoas possam viver fortalecidas e encantadas, menos esquecidas e confiantes, na vida, no Yoga e em Deus.

Você toca com uma banda?

Marco » Na verdade, não existe bem uma banda. A Maha Satya Sangha não é o nome de uma banda, mas sim de toda a família de irmãos e irmãs, que se identificam com esse propósito. Todo mundo faz parte! Hoje em dia viajo com três ou quatro músicos, todos profissionais independentes e irmãos de jornada, que abraçaram essa causa de uma forma muito profunda. Cada um tem sua vida e sua forma de viver o Yoga. É uma amizade muito bonita e saudável, até mesmo por sermos bem diferentes. Sempre trazemos novidades para a vida um do outro. Viajamos juntos de cinco a seis vezes ao ano por períodos de duas semanas.

Como está sendo a repercussão dos CDs?

Marco » Há anos as pessoas nos pediam uma coletânea dos mantras que cantávamos nos Satsangs. Na época, não tínhamos nenhuma experiência para produzir um CD, mas tudo foi acontecendo de uma maneira bem fluida, com muita gente ajudando e abençoando o projeto. Surpreendentemente, foram distribuídos mais de 20.000 CDs de 2007 a 2010, tudo de forma independente, através dos eventos, do site www.simplesmenteyoga.com.br, e principalmente das pessoas que curtem nosso trabalho e divulgam para seus amigos. É tudo realmente uma grande benção!

CD Simplesmente Satsang



eYoga.com.br

Entrevista originalmente publicada em 16 de maio de 2008 na coluna Yogi » Bate-papo do site www.eyoga.com.br da revista Prana Yoga Journal.

Compartilhe esse conteúdo com alguém...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *